E-mail  |  Cadastro   |  Login   |  Mapa do Site  |  Home
Busca
Biointeratividade > Discussão por email > Discussão
Discussão  Voltar

Selecione uma das categorias abaixo para navegar pela Lista de Discussão
por E-mail Riscobiologico.org:




Legislação e normatizações

"Nova NR 4 é publicada e não proíbe a terceirização do SESMT

Foi publicada no dia 12 de agosto no Diário Oficial da União a Portaria MTP Nº 2.318 (https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-mtp-n-2.318-de-3-de-agosto-de-2022-421959624), de 3 de agosto de 2022, que aprova a nova redação da Norma Regulamentadora nº 04 - SESMT (Serviços Especializados em Segurança e Medicina do Trabalho).

O novo texto traz importantes modificações em relação à atividade e um ponto polêmico foi definido. A Norma não estabelece nenhuma limitação em relação à obrigatoriedade de que os membros do SESMT sejam funcionários da empresa, como estava mencionado na versão anterior. Com isto abre-se espaço para a terceirização dos profissionais contratados.

Na NR atualmente em vigor o item 4.4.2 dizia textualmente que "os profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho deverão ser empregados da empresa...". Com a retirada deste item, e com a modificação na Lei Trabalhista que permitiu a terceirização de atividades fins e atividades meio, fica aberta a possibilidade de terceirização dos membros do SESMT. Entretanto a empresa continuará obrigada a manter os profissionais contratados e determinando número de horas para cada atividade. O que poderá mudar é a relação de trabalho. Em vez de contratar pela CLT a empresa poderá contratar uma empresa terceirizada.

Este importante ponto foi um dos temas polêmicos dividindo bancadas de trabalhadores e de empregadores. Foi necessária a arbitragem da bancada do Governo. Empresas queriam que fosse incluído na norma que era possível a terceirização. Já os trabalhadores, em posição oposta, queriam impedir isto e defendiam a manutenção do que estabelecia o item 4.4.2. O Governo resolveu não incluir explicitamente a liberação, mas deixou de fora o item que obrigava que só empregados "da empresa" integrassem o SESMT. Com isto fica aberta a possibilidade das empresas terceirizarem o SESMT.

Novo Nome

O nome do SESMT também sofreu modificações e recebeu algumas críticas de profissionais de Engenharia de Segurança. O atual nome do SESMT, segundo a norma até então em vigor, é Serviços Especializados em Engenharia e Medicina do Trabalho.

Com o novo texto o termo Engenharia foi substituído por Segurança, mas o termo Medicina não foi substituído por "Saúde". O usual nestas situações é usar a SST (Segurança e Saúde do Trabalho) ou Engenharia e Medicina do Trabalho.

Outro ponto importante é a atualização a cada cinco anos da tabela de grau de risco das atividades econômicas. A norma dispõe em seu Artigo 3 que os graus de risco constantes do Anexo I - Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE (Versão 2.0), com correspondente Grau de Risco - GR, devem ser atualizados a cada cinco anos, com base em indicadores de acidentalidade, sendo que a proposta desses indicadores deve ser apreciada pela CTPP (Comissão Tripartite Paritária Permanente). A proposta de atualização deve indicar o prazo de adequação das organizações, se alterado o seu enquadramento com base na atualização. Além disso, a primeira atualização referida neste artigo deve ser publicada em até dois anos após a publicação desta Portaria.

Já no Artigo 4, o novo texto estabelece que os SESMT em funcionamento devem ser redimensionados, nos termos da NR-04, a partir de 2 de janeiro de 2023. O Artigo 5º dispõe que os SESMT comuns em funcionamento, conforme disposto no item 4.14.3 da NR-04, com a redação dada pela Portaria SIT nº 17, de 1º de agosto de 2007, passam a ser denominados SESMT compartilhados, nos termos do item 4.4.5 desta NR.

O texto revoga as seguintes Portarias: I - Portaria SSMT nº 33, de 27 de outubro de 1983; II - Portaria SSMT nº 34, de 11 de dezembro de 1987; III - Portaria DSST nº 11, de 17 de setembro de 1990; IV - Portaria SIT nº 17, de 1 de agosto de 2007; V - Portaria SIT nº 76, de 21 de novembro de 2008; VI - Portaria SIT nº 128, de 11 de dezembro de 2009; VII - Portaria MTE nº 590, de 28 de abril de 2014; VIII - Portaria MTE nº 2.018, de 23 de dezembro de 2014; e IX - Portaria MTPS nº 510, de 29 de abril de 2016.

Esta portaria foi assinada pelo Ministro do Trabalho e Previdência José Carlos de Oliveira e entra em vigor 90 dias após a sua publicação, ou seja, em 12 de novembro de 2022."

Fonte: ANAMT / Revista Proteção

Equipe Riscobiologico.org


-------------------------------------------------------
O conteúdo das mensagens é de inteira responsabilidade do autor do e-mail.

 


Enviada por Equipe Riscobiologico.org, em 19/08/2022


Norma Regulamentadora - NR4 (1)

[ Riscobiologico.org - Diferentes emails foram agrupados nesta mensagem. ]

 

Item 4.5 Dimensionamento
Me chamou atenção.
Cálculos devem ser bem feitos.

Mensagem encaminhada pelo colega Sander

 

.........................

 

Geralmente o que acontece quando uma atividade é terceirizada é a diminuição das remunerações - pois o proprietário da terceirizada tem que obter o lucro dele, o que não é errado, pois ele é um empreendedor.

Profissional de qualidade é um profissional bem remunerado. Se a remuneração cai, a "qualidade" do serviço também, pois há uma evasão dos bons profissionais para outras áreas.

Pela quantidade de profissionais num SESMT, a bancada empresarial "impôr" a terceirização é mesquinharia, economia de cafezinho, mindset da miséria, pois a remuneração dos profissionais desse setor, por melhores que sejam, em relação ao faturamento da empresa,
[ + ] Exibir tudo


Respondida por Vários autores, em 22/08/2022

 
Discussão por email
O que é a lista de discussão?
Formulário
Discussão
 
 


 
 


Riscobiologico.org - Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.          criação: AldeiaCom